Carregando aguarde...
Itapira, 05 de Abril de 2020
Notícia
23/03/2015 | Dólar acima de R$ 3 vira de ponta cabeça negócios de produtos importados

As recentes cotações do dólar, ultrapassando a casa dos R$ 3, com alta de quase 20% desde o co­meço do ano, ultrapas­sando na última sexta-feira R$ 3,29, tem trazido in­certezas principalmente para comerciantes que têm produtos importados em seus estabelecimentos. “É uma situação que nos deixa apreensivos, porque o valor da mercadoria sobe diariamente”, admitiu a comerciante Taís Bosso Bueno Consorti, proprie­tária do Empório Bueno.

Segundo Taís, as pró­prias importadoras se vêem numa situação de dificul­dades porquê trabalham com grandes volumes e conforme aquilo que foi acertado, pode de um momento para o outro representar um enorme prejuízo. “Felizmente eu havia feito bom estoque dos meus produtos e desta forma posso administrar melhor este momento de turbulência e ficar torcendo muito para que a economia entre nos eixos”, comentou.

Nos supermercados a situação não é diferente. Renato Zeferino, do Su­permercados Cubatão, co­menta que a atual situação obriga o setor de compras a ficar permanentemente atento à cotação da moeda americana. “Não somente os produtos acabados e importados sofrem efei­tos da desvalorização do real, mas também aqueles que de uma certa forma dependem de insumos que são cotados em dólar como é o caso da farinha de trigo. O impacto da alta nos produtos fabri­cados é imediato”, ava­lia. Zeferino disse que no caso do bacalhau, produto muito procurado nesta época, não houve repasse no custo atual porque as compras foram feitas no final de janeiro e enquanto o estoque permanecer, o preço não vai mudar. “Se formos comprar outro lote, certamente o preço será diferente”, intuiu.

Seu colega César Luis Barossi, gerente comercial do Antonelli Supermercados, fez avaliação parecida do quadro atual. “No caso do bacalhau, antes mesmo da forte desvalorização do real, os fornecedores já haviam aumentado os preços em cerca de 30% com relação ao ano passado. É uma si­tuação difícil onde temos que estudar formas para não repassar este aumento na integralidade para o consu­midor. Agora com a cotação do dólar do jeito que está, se for preciso reforçar o es­toque, o preço vai ser maior. Não tem como segurar’, avaliou. O impacto maior, segundo seu entendimento, ocorre no setor de impor­tados, onde se concentram principalmente as bebidas. “Quem fizer questão destes artigos já tem consciência de que vai ter que pagar mais por eles”, avisou.

Adilson Delalana, do Supermercado Delalana, informou que tem procurado segurar ao máximo o repasse dos custos mais elevados causados pelo dólar mais valorizado, advertindo que o comerciante em geral muito pouco pode fazer nestes ca­sos. “Se você não repassa, vai operar com prejuízo. Temos que encontrar um ponto de equilíbrio”, afirmou. Sobre o bacalhau, disse que até o presente momento vem trabalhando com estoque adquirido no começo do ano. “Por enquanto estamos operando com os mesmos preços”, finalizou.

Fonte: Da Redação do PCI

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Veja Também
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

669 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2020 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções