Carregando aguarde...
Itapira, 14 de Dezembro de 2018
Notícia
12/11/2018 | Luiz Santos: Contrição

A Bíblia ensina que Deus ama o homem de coração contrito, que Ele habita com o homem de coração quebrantado e que volta o seu olhar sobre aquele que geme e sofre pelo fato de ter pecado. A nossa cultura não favorece esse movimento do coração. Nossa sociedade desenvolveu uma mentalidade de autonomia e autossuficência a tal ponto que, reconhecer o pecado é sinal de fraqueza, de mediocridade e na maioria dos casos de moralismo hipócrita. Isso é tão verdade que não faltaram candidatos nessas últimas eleições que falaram em rede nacional e nas redes sociais para quem quisesse ouvir,  que era preciso acabar com a moral católica, destruir a ética judaico-cristã, erradicar a Bíblia, fechar igrejas e impedir pastores e padres de pregarem o evangelho no que diz respeito a moralidade sexual, a ética do casamento ou a família tradicional. A base estruturante da filosofia que permeia a nossa cultura é a do relativismo. Nessa maneira de ver e entender o mundo, não existem verdades absolutas, princípios ou valores inamovíveis, tudo o que há é o momento, a oportunidade, a conveniência. Assim, definir o que é pecado é uma tarefa sem o menor sentido, pois o que pode ser pecado para alguns, não é em absoluto para outros. Essa maneira de ver as coisas infelizmente faz parte também da vida de muitos cristãos e, às vezes, de igrejas (denominações) inteiras. A mensagem de arrependimento, de conversão, purificação e vergonha pelo pecado quase já se pode ser ouvida de muitos púlpitos. Há mesmo quem ensine de muitos púlpitos que a denúncia, o confronto e o tratamento que deve ser dado ao pecado é inapropriado, é hipócrita, é farisaico. Outros ensinam ainda que considerar o pecado, que levá-lo a sério, que sentir dor e aflição por ele é escrúpulo masoquista, um sentimento derrotista e doentio. Ensinam que não podemos nos levar tão a sério e temos que aprender a rir, inclusive do fato. Contudo, o chamado à contrição não é um convite: No passado Deus não levou em conta essa ignorância, mas agora ordena que todos, em todo lugar, se arrependam” (At 17.30). O arrependimento, a dor no coração pelo pecado é uma ordem dada pelo próprio Deus, é uma exigência que Ele faz a todos os homens sem exceção. E por que Deus exige tal coisa? Por aquilo que o pecado é em si mesmo. Pecado não é simplesmente um erro, um tropeço, um equívoco. A natureza do pecado é maliciosa, é um ataque a autoridade do Senhor, é uma afronta a sua vontade, é um ato de rebeldia deliberada contra o seu senhorio. Todo pecado se traduz em desprezo pala santidade do Senhor, um ato de reprovação ao caráter justo e perfeito de Deus. Para os cristãos a contrição possui alguns passos fundamentais para continuar gozando dos privilégios da intimidade do Senhor e usufruir de suas bênçãos e de sua amizade. O primeiro passo é o reconhecimento de ter pecado, de ter feito o mal aos olhos de Deus e ter ofendido a majestade nos céus. Não importa se o pecado foi cometido no meu corpo, ou contra o próximo, sua honra, seus bens ou seu corpo. Todo pecado é contra Deus, sua Lei moral e sua santidade em última instância. Reconhecido o pecado, o segundo passo é deixar-se tomar pela tristeza de ter pecado. Chorar o pecado é garantia de ter reconhecido a natureza vil do ato e a injustiça criminosa contra Deus. Chorar o pecado é uma prova inconteste de amor pelo Senhor que nos amou por primeiro gratuitamente e que não merecia ser ultrajado e desprezado em minha desobediência. Chorado o pecado, agora é preciso confessá-lo. Pecado tem nome e se faz necessário nominá-lo diante de Deus e acusar-se, isentando Deus de qualquer cumplicidade e assumir a autoria sem transferência de culpa:Pois eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue. Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me” (Sl 51,3-4). Confessado o pecado é preciso abandoná-lo e pedir a Deus a graça de não mais voltar a cometê-lo, a resolução de não mais pecar está no centro da contrição, faz parte de sua essência. E por último, se faz necessário reparar o mal feito, isto é, um ato de bondade, justiça e de amor, sobremaneira quando o pecado envolve o irmão. Todos esses passos que envolvem a contrição do coração são inócuos, para não dizer, impossível ao crente (a qualquer um na verdade), se a boa graça de Deus não nos mover a isso. Pedir a Deus que nos quebrante, que seu Espírito nos conduza também aqui, é um gesto de extrema necessidade: Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conheces os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno”(Sl 139. 23-24).

 

Reverendo Luiz Fernando é Ministro da Palavra na Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Veja Também
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

1101 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2018 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções