Carregando aguarde...
Itapira, 25 de Fevereiro de 2020
Notícia
21/02/2017 | Luiz Santos: O contínuo aprendizado da liberdade

Parece estranho, mas não sabemos ser livres. Queremos, mas não sabermos ser. Não nos sentimos confortáveis com a liberdade e raras vezes sabemos desfrutar dela com proveito. A liberdade é o nosso maior dom e também o nosso maior desafio. Comumente pensamos em liberdade como a remoção de todos os entraves éticos e de todos os contornos de moralidade. Julgamos que livre é aquele que faz o que quer, quando quer, como quer sem prestar contas ou dar maiores satisfações. Liberdade parece ser não deixar-se definir ou moldar por coisa alguma, é não possuir padrões ou referenciais absolutos.  Por isso mesmo, liberdade virou sinônimo de “politicamente correto”, de “vivo e deixo viver”, “meu corpo, minhas regras”, “eu me defino sexualmente”, “se é comum é porque é normal” e etc. Nessa exacerbação do que se pensa como liberdade há uma escravidão e uma ditadura em voga, que absurdamente todos parecem cegos para ela, é a ditadura do relativismo. Relativismo é aquela doutrina filosófica e aquele estilo de vida que nos força a viver apenas do momento, da lógica da conveniência, pois o que pode ser certo pra mim, pode muito bem não ser o correto pra você. E assim, todos estão certos e ninguém tem razão e cada um leva a vida do jeito que achar melhor, não importando com o que é verdadeiro.  Qual a origem desse estado de coisas? Claro, o mau uso que Adão e Eva fizeram de sua imensa liberdade no paraíso. Uma liberdade nunca mais desfrutada pelo homem, até que fosse redimido por Cristo e até que entre na glória. Adão e Eva eram livres, mas nunca foram infinitamente livres. Não é possível que haja dois seres infinitamente livres, se não, os dois seriam deuses. E, como há um só Deus, esse sim libérrimo, Adão e Eva como criaturas, gozavam uma liberdade imensa sim, com o limite de não poderem comer da arvore da ciência do bem e do mal. Aqui estava o limite para aquela imensa liberdade. Essa liberdade incluía também, a faculdade para não pecar e também, para fazê-lo. Livremente escolheram transgredir, desejaram ser mais livres do que eram, desejaram a liberdade que é própria somente a Deus. Você sabe as consequências disso. Seus descendentes (nós) passaram a ter dificuldades noéticas, espirituais, morais e físicas quanto à noção de liberdade. Logo se acharam escravos do pecado e de suas paixões caídas. Mais tarde, para restringir o mal, assinalar a malignidade do pecado, instruir as mentes e provocar “desespero” pela salvação e a necessidade de um Salvador, todos foram como que escravizados, submetidos sob Lei. A Lei não foi dada para salvar, antes apontava para a presença do pecado na carne, na mente, no coração, na alma. Assim, a Lei também apontava para um padrão de vida onde haveria verdadeira liberdade, no coração entregue a Deus em amor e submissão, na recusa aos ídolos, na guarda de um dia santificado, no respeito amoroso e voluntário para com as autoridades, no amor generoso cuidador para com o próximo e a sacralidade de seus bens e seus corpos. A lei queria indicar que na prática constante e fiel dessas coisas, o homem experimentaria de novo, harmonia, paz e relações adequadas com Deus, com os homens e o restante da criação, em plena liberdade. A Lei apontava para tal, mas a sua observância era impossível, exatamente porque não éramos livres para obedecer, nossos pecados nos arrastavam após si para fazermos o que desagradava a Deus e a nós mesmos, sem poder evitar, sem liberdade para isso. Agora em Cristo, estamos livres outra vez. Agora, pela obra de Cristo e pelo transbordamento de sua graça, temos liberdade para evitar o mal, fazer o que é bom, justo, honroso, que mereça louvor, que dê gozo verdadeiro à nossa alma, que glorifique a Deus, que ame os irmãos e cuide e proteja a ordem social e a natureza. E como sabemos que coisas são essas? Voltando para a Lei! Ela nos dá o exato padrão da liberdade. Ela nos instrui e nos ensina que ser livres não é fazer o que queremos e o que sentimos vontade, a despeito do julgamento alheio. Liberdade é fazer o que é justo, certo, verdadeiro e adequado, a despeito dos meus desejos e das minhas inclinações. Nossa liberdade em Cristo não nos deixa escravizar por qualquer coisa que ofenda a Deus, nem mesmo aquelas com aparência de piedade ou de religião, que na verdade não passam da imaginação de homens que não sabem o que fazer com a própria liberdade. Não há maior escravidão do que fazer somente aquilo para o qual se é inclinado, sem poder resistir, sem ter a vontade de não fazê-lo. Venha para a liberdade dos filhos de Deus.

Reverendo Luiz Fernando é Ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Veja Também
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

288 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2020 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções