Carregando aguarde...
Itapira, 30 de Setembro de 2020
Notícia
09/02/2017 | Luiz Santos: Sou Feliz com Jesus

O Hino Aflição e Paz é um clássico da hinódia protestante. Talvez seja mesmo um dos hinos mais amados e mais executados em nossas liturgias mais conservadoras. O histórico deste hino merece ser publicado aqui para fundamentar a nossa reflexão: “Este hino tem uma letra muito confortante e foi escrito por Horatio Gates Spafford em um momento de muita dor. Spafford era um advogado de sucesso em Chicago. Em 08 de outubro de 1871 o grande incêndio de Chicago destruiu grande parte da cidade e, consequentemente, a maioria das propriedades que Spafford havia adquirido com o esforço de seu trabalho. Porém, a grande tragédia de sua vida aconteceu 2 anos depois, em 1873: Spafford, sabendo que um grande amigo seu, D. L. Moody, estaria pregando em uma região da Inglaterra no outono, resolveu passar férias com sua família na Europa. Porém, com alguns trabalhos a fazer ele decidiu enviar primeiro a sua esposa (Anna Tubena Larsen) e suas quatro filhas, Anna, Margaret, Elizabeth e Tanetta. Em 21 de novembro de 1873, enquanto elas atravessavam o Oceano Atlântico, o navio a vapor em que estavam, chamado Ville du Havre, colidiu com outro navio, 226 pessoas morreram inclusive suas 4 filhas. Sua esposa Anna foi a única sobrevivente da família e, resgatada por outra embarcação, assim que chegou à Inglaterra enviou um telegrama ao seu esposo que dizia: "Salva, porém só" ("Saved alone"). Spafford então viajou para a Inglaterra e, mesmo em um momento de profunda dor, ao passar pelo local da morte de suas filhas ele compôs este belo hino que até hoje é cantado nas igrejas históricas reformadas, como a Igreja Presbiteriana do Brasil.  Spafford em seu momento de grande provação e tribulação buscou consolo e refúgio em Deus. Que possamos nós também demonstrar a mesma confiança e disposição para com Deus em nossas dificuldades, que muitas vezes são tão pequenas comparadas à tragédia que este homem de Deus sofreu”.  A felicidade existe e apesar de na minha última pastoral ter afirmado que ninguém a merece, nunca quis dizer que fosse impossível. Mas, a felicidade não depende exatamente das circunstâncias, a felicidade não tem a ver com o estado de humor ou situações favoráveis, mesmo porque, para nós que cremos em Cristo a felicidade é uma pessoa e o relacionamento que temos com ela, Jesus Cristo. Para os que não creem, a vida é uma curta caminhada entre o berço e a sepultura. Para esses, não há mesmo tempo a perder quando o assunto é ser feliz. O maior número de experimentos, com as mais variadas emoções, sem que haja grandes e definitivas restrições é a melhor receita para fazer esta vida valer a pena. E assim, quando as circunstâncias são adversas e os ventos parecem soprar contrários ás nossas aspirações, tudo o que nos resta é a desolação e o desânimo, seguidos de justificativas e fugas da realidade numa vida de constante alienação. Para esses tais, a instabilidade das coisas deste mundo os leva a uma voraz insatisfação que nunca lhes permite ver algum sentido na vida e encaram qualquer forma de sofrimento como absurdo. Para os cristãos, nossa caminhada é mais longa. Nossa história começa no berço e não termina no túmulo, não. Para nós, que professamos a ressurreição de Cristo e cremos na vida eterna, entendemos que a felicidade é possível sim aqui. Possível, mas não a única forma e nem a mais perfeita. Compreendemos que a totalidade de nossa vida foi assumida e transformada por Cristo e por isso mesmo, reconhecemos que enquanto caminhamos para a eternidade, vivemos este tempo de espera e aperfeiçoamento em um mundo caído. Conquanto a graça comum de Deus preserve a criação em favor de todos os homens e promova toda sorte de desenvolvimentos e benefícios como a arte, a tecnologia, as ciências e etc. para que não sejamos todos consumidos pela endêmica corrupção de nossos corações, ainda sim, vivemos num mundo insuficientemente capaz de produzir felicidade que dure. Nós cristãos podemos e devemos gozar desses mesmos benefícios da graça comum como todos os homens, porém nunca, de maneira absoluta. Nosso critério será sempre o da validação das Escrituras afim de que sejamos sóbrios em todas as coisas, inclusive no sofrimento. O sofrimento nunca deve ser desejado e jamais deverá ser ignorado ou desperdiçado. O prazer, como o sofrimento encontram seu propósito em Deus que deseja capacitar-nos para aquela felicidade perfeita e eterna junto d’Ele na glória. Não há felicidade real e que dure sem Jesus. Vem ser feliz!

Rev. Luiz Fernando Dos Santos é Ministro do Evangelho na Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Veja Também
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

427 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2020 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções