Carregando aguarde...
Itapira, 08 de Agosto de 2022
Artigo
03/01/2013 | José Carlos Barbieni: Drogas: Usar ou não usar, Eis a questão?
Olá a todos, de volta dando continuidade ao assunto Drogas, a bola da vez é o usuário.
Antes de mais nada, é bom lembrar que não sou especialista no assunto, e muito menos dono da verdade, minha intenção é colaborar para que mais pessoas possam entender e refletir sobre o assunto.
Quase todos nós somos usuários de alguma droga lícita ao menos, já que álcool, cigarro e remédios são considerados drogas também, e algum dia acabamos usando alguma delas, ou você conhece alguém que não fume, nunca tenha bebido (nem cerveja), e que aos 80 anos não precise de nenhum remédio?
Quem é fumante, sabe como é difícil ficar sem cigarro, e não raras vezes vemos pessoas que após terminar um, já acendem outro, essas pessoas enfrentam dificuldades em abster-se do cigarro no trabalho, e numa internação hospitalar então, ficam desesperadas, quem não teve um parente fumante, que não pediu pra levar cigarro escondido para ele? Isso evidencia o quanto o tabaco vicia.
Dentre os usuários de álcool há diferentes graus de dependência, desde aqueles que bebem somente em festas e fim de semana, e mesmo assim uns bebem moderadamente e outros exageram, passando pelos que não abrem mão da passadinha no bar após o trabalho para um “rabo de galo”, alguns vão embora inteiros enquanto que outros vão “trançando as pernas”.
São muitos os que bebem bastante e nem por isso causam problemas à família ou a quem quer que seja, mas também há os que fazem do álcool parte de seu dia a dia, e sem perceber se tornam alcoólatras, dependentes químicos, já não conseguem mais tocar suas vidas sem o álcool; Perder emprego, família, a dignidade e a saúde são só alguns dos males do alcoolismo.
Há alguns anos eu já conheci um caminhoneiro que jurava de pés juntos dirigir melhor depois de tomar “umas” do que sóbrio, será que os tantos caminhoneiros que se envolveram em acidentes, em que comprovadamente estavam embriagados também pensavam assim?
Quanto aos usuários das drogas ilícitas, como a maconha, crack, cocaína, esctasy e outras, também há os que usam mais e os que usam menos, e excetuando se a maconha, sobre a qual ainda não há consenso sobre seu poder de tornar alguém dependente, as outras são fortes e leva o usuário à dependência, principalmente o crack.
Muitas vezes nem mesmo o usuário sabe ao certo o que o levou a tornar-se um viciado, dizer que foi por influencia de amigos? Curiosidade? Eles costumam dizer que pode até ser, mas a decisão final de experimentar ou não foi exclusivamente deles, eles sempre deixam claro que cada viciado sabia muito bem o que estava fazendo quando quis entrar nessa.
Relembrando o final do primeiro post sobre drogas:
O que acontece quando uma adolescente experimenta alguma droga, seja lícita ou não? Nada! Isso mesmo, nada... O mundo não acabou e ele não fez mal a ninguém, como convencê-lo de que entrou numa roubada, se para ele, ele não fez nada de errado?
Como convencer alguém que o cigarro faz mal, se outro dia uma reportagem na televisão mostrou uma senhora de 90 anos, fumante desde os 13 anos e completamente lúcida e com saúde melhor que a minha? -Diga-se de passagem-
Qualquer usuário nunca se verá como um viciado, sempre dirá que os “zumbis” das cracolândias da vida só ficaram assim por serem fracos, não terem dominado o uso, todo usuário sem exceção, acha que conseguirá parar a hora que quiser.
Tal qual um obeso (talvez eu) que vive arrumando desculpas para não iniciar um regime e não vê problema algum nos quilinhos a mais, também o usuário não vê motivos práticos para deixar de usar a droga, afinal o barato, o clima e as pessoas na hora do uso não demonstram haver algo de errado nisso, se fosse legalizada... Que mal estaria fazendo?
O mal que as drogas causam não é pra amanhã ou pra um ano, leva mais tempo e a alteração da percepção da realidade que cerca o usuário, não permite que ele perceba o quanto está andando pra trás, quem vê isso? A família e os amigos que aos poucos vão se distanciando.
Nunca se discutiu tanto sobre as drogas como agora, bem como volta e meia vemos depoimentos de dependentes internados em clínicas de recuperação falando sobre a destruição que as drogas causaram em suas vidas e a batalha para se livrar do vício, mesmo com tudo isso... O consumo só aumenta.
Apoio familiar e informação fazem parte do que um dependente químico precisa para virar essa página errada de sua vida.
A todos, muita paz, saúde e Prosperidade em 2013!
José Carlos Barbieni – Serralheiro
Técnico em informática pela Etec “João Maria Stevanatto”- Itapira-SP

E-mail: [email protected] 

Fonte: José Carlos Barbieni

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de José Carlos Barbieni
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

1741 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2022 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções