Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
07/04/2012 | Luiz Santos: A Páscoa do Mundo

 A morte foi absorvida na vitória. Morte onde está a tua vitória? Morte, onde está o teu aguilhão? Graças se rendam a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.” (1Co 15.55.57 BJ).

Celebremos hoje a Páscoa da Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, o maior e mais importante evento do cristianismo. Paulo chega mesmo a afirmar que se Cristo não ressuscitou, vã é a nossa esperança (1Co 15.14). A Páscoa é uma celebração cujas raízes estão no Antigo Testamento, faz parte da identidade etno-religiosa dos judeus e à luz do Novo Testamento compreendemos que sua celebração era uma mostra, um sinal, uma tipologia daquilo que Deus realizaria de modo definitivo em Jesus Cristo.

A palavra Páscoa, derivada do termo hebraico PESSAH significa passagem. Foi a passagem de Deus por meio do Egito libertando Israel da escravidão e da opressão. A Páscoa, neste evento Bíblico, além do aspecto religioso, possui também contornos políticos, ideológicos e sociais. Israel era um povo culturalmente oprimido, politicamente subjugado e socialmente alienado e pobre. Deus ouviu o clamor de seu povo e a injustiça de um Faraó déspota e desapiedado. Deus então toma partido, opta por ficar do lado do marginalizado, do escravizado, do pobre e do oprimido. Deus “desce”, compromete-se com Israel por meio de Moisés e Aarão e providencia a sua libertação transformadora. No deserto, em meio a muitas provações, um povo ganha identidade, Leis claras, justas e fraternas, onde mesmo o estrangeiro seria respeitado e acolhido com dignidade sem o perigo de correr a mesma sorte que os Israelitas no Egito. Agora, em parceria com o seu Libertador, os judeus se tornam construtores de seu próprio futuro, são, ao lado do Senhor, protagonistas de sua própria história.

A Páscoa de Jesus Cristo tem um caráter eminentemente espiritual e mais profundo, tocando assim o âmago da existência humana. A opressão de que fomos libertos na Páscoa de Cristo é aquela incontavelmente mais nefasta para a nossa vida, era a opressão de Satanás, do pecado e da morte. Também nós éramos um não-povo (Ef 2.12), sem identidade, sem Lei, sem cidadania plena. Vagávamos pelo mundo mortos em nossos pecados e delitos (Ef 2.1), como indigentes mendigávamos qualquer migalha de felicidade aprofundando assim a nossa infelicidade e a nossa condição de escravos das paixões desnorteadas que guerreavam em nossos corações (Ef 2.3). Deus que é rico em misericórdia e conhecendo o nosso sofrimento e a nossa completa e radical incapacidade de nos livrarmos dele, providenciou-nos um libertador em tudo superior a Moisés, uma vez que nosso opressor em tudo era mais terrível que o Egito.

Na páscoa do Cordeiro de Deus fomos libertados das cadeias da morte e dos laços do diabo, recebemos perdão e vida. Todavia, esta experiência espiritual tem também contornos sociais não menos dramáticos do que nossos antepassados. A ressurreição de Cristo formou também a identidade de um povo, de uma nova humanidade redimida e reconciliada com Deus, a Igreja. Este povo, que somos nós, além de viver numa nova modalidade e estilo de vida, com altíssimos padrões morais e éticos, também é enviado para inserir-se no mundo de onde foi liberto para transformar-lhe as relações.

Agora em Cristo, todas as coisas são novas. Não há mais lugar para a discriminação de gênero, homens e mulheres são iguais perante de Deus e herdeiros da mesma bênção. Não há discriminação étnica, não há judeu ou grego, formamos um único povo na Igreja. Não há tolerância e complacência com a pobreza indigna e a miséria, a Imagem de Deus impressa em cada rosto nos constrange ao amor fraterno, caritativo e a ações de promoção da vida e da dignidade humanas.

Porque somos novas criaturas libertas da escravidão, não ficamos impassíveis diante da cultura de morte que grassa a civilização ocidental deteriorando as suas estruturas pelo avanço do narcotráfico, a prostituição e a pornografia, o desmantelamento da família, e a guarida que recebem as relações homoafetivas através de leis imorais. Não podemos nos calar e nem ceder ao imobilismo frente a estes males já estruturados em nosso tempo.

A Páscoa de Cristo, A Páscoa da Igreja, A Páscoa de cada cristão, deve ser também a Páscoa do mundo. As intricadas estruturas sociais do nosso tempo carecem também fazer uma passagem da morte para a vida, do mal para o bem, da mentira para a verdade, da violência para a paz.

Feliz Páscoa da Ressurreição a todos!

Reverendo Luiz Fernando

Pastor Mestre da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

902 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções