Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
27/07/2016 | Luiz Santos: De quem devo fazer-me próximo?

 Quem ama seu irmão permanece na luz, e nele não há causa de tropeço” (1 João 2.10).

No Evangelho de Lucas um intérprete da Lei, tentando pôr Jesus à prova e depois tendo que justificar-se ante a sua tentativa inútil, interroga a respeito de como identificar o seu próximo para cumprir o mandamento do amor. Nessa passagem do Evangelho que você pode ler em Lucas 10. 25-37, duas lições surpreendentes emergem da parábola contada por Jesus. A primeira delas fica evidente sobre o real problema do intérprete da Lei e dos homens religiosos em geral. O problema daquele interlocutor de Jesus não era e nunca foi falta de conhecimento ou informação. Mesmo porque, ao resumir os 613 mandamentos conhecidos e identificados pelos rabinos contidos na Lei, aos dois essenciais: Amar a Deus e ao próximo, ele demonstrou conhecimento e talento para a hermenêutica da Lei, sabia interpretá-la com muita precisão. O mesmo se pode dizer do sacerdote e do levita da parábola, eram vocações especiais que suponham esse mesmo conhecimento do homem que falava com Jesus. Então, qual o real problema de um homem que é capaz de identificar Deus e não sabe onde encontrar o seu próximo? Jesus revela isso na segunda lição, personificada na personagem do Samaritano. O intérprete da Lei é um homem soberbo de coração e cheio de justiça própria, alguém que se julga melhor do que os outros exatamente porque se reconhece como muito religioso e entendido nas coisas de Deus, e talvez por isso era incapaz de identificar-se com a vulnerabilidade, fraqueza, impotência e sofrimento dos outros. O Samaritano, porque desprezado e marginalizado pelos Judeus, sabia muito bem o que significava viver em alienação, abandono e desprezo, identificou-se, deixou-se tocar pela compaixão (entrou no sofrimento do homem caído à beira do caminho), se importou e se comprometeu com ele. Jesus quer ensinar-nos essa preciosa lição de amor ao próximo antes de mais nada ensinando-nos que somos todos devedores à misericórdia e bondade de Deus. Ninguém possui mérito, Deus não nos deve nada, e não há coisa alguma que possuamos que não tenha sido dado por Ele, então, em última instância, éramos todos marginalizados, caídos, impotentes, estávamos todos feridos de morte. Sabemos o que é ser alienado e deixado à própria sorte. Vivíamos assim até que como ensina Paulo: “Houve tempo em que nós também éramos insensatos e desobedientes, vivíamos enganados e escravizados por toda espécie de paixões e prazeres. Vivíamos na maldade e na inveja, sendo detestáveis e odiando-nos uns aos outros. Mas quando se manifestaram a bondade e o amor pelos homens da parte de Deus, nosso Salvador, não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que ele derramou sobre nós generosamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador” (Tt 3.3-6). E esse lavar regenerador nos capacitou para as boas obras: “Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos” (Ef 2.10-10) e nos tornou devedores do amor a todos os homens: “Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros, pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a lei” (Rm 13.8). Assim, o que realmente importava ao intérprete da Lei, o que faltava ao sacerdote e ao Levita e o que muitas vezes acontece conosco é a inadequação de nosso coração com aquilo que julgamos saber. O intérprete da Lei queria herdar a vida eterna, sabia que não podia obedecer com perfeição a Lei, pensou então que se amasse alguém digno de seu amor, um compatriota, um irmão de raça ou religião, excluindo o samaritano, evidentemente, herdaria a vida eterna. O que Jesus ensina é exatamente o contrário. Os que já possuem a vida eterna, os que tiveram os seus corações já colocados numa relação adequada de graça, gratidão e amor para com Deus, desejam obedecer à Lei demonstrando satisfação com a misericórdia recebida e amará o próximo, se fará próximo, será vizinho do que necessita, há de importar-se com o que sofre e tocará a vida alheia com graça e misericórdia porque se sentem devedores dessas coisas para com todos. Mas, não é uma dívida que nos faça sofrer: “Porque nisto consiste o amor a Deus: obedecer aos seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados” (1 Jo 5.3). Irmãos, que o nosso próximo seja aquele que nos dê a oportunidade de servir e amar em qualquer circunstância, sem qualquer rótulo ou julgamento, levando em conta sempre a mesma graça e a mesma misericórdia que um nos alcançaram.

Reverendo Luiz Fernando é ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

1664 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções