Carregando aguarde...
Itapira, 21 de Junho de 2024
Artigo
22/07/2014 | Luiz Santos: É preciso guardar a língua

Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem” (Efésios 4.29).

O verbete ‘língua’ ocorre 147 vezes em toda a Bíblia. 112 vezes no Antigo Testamento e 35 no Novo. O verbete diz respeito a idioma, órgão responsável pela fala e pelo paladar e também possui conotação moral. É exatamente esta conotação moral o objeto do meu interesse nesta pastoral. Assim como devemos guardar o nosso coração, devemos com igual zelo guardar a nossa língua. É justamente ela que na maioria das vezes revela inclusive o que está em nosso coração: “pois a boca fala do que está cheio o coração” (Mt 12.34).

 A língua é um dos dramas da humanidade em todos os aspectos. Mesmo as guerras dificilmente tem início com soldados e armas. Geralmente, alguém em algum lugar fala, discursa, diz algo desmedido, inapropriado, cruel e irresponsavelmente. As tensões vividas por famílias, nos relacionamentos sociais e na igreja, invariavelmente aumentam e saem do controle pelo ‘mau uso’ da língua. Quantos relacionamentos amorosos, quantas amizades, quantos ministérios, quantas igrejas sucumbem sob o poder devastador da língua, das palavras malditas e dos comentários impiedosos.

Precisamos aprender a disciplina e a arte de guardar, tomar conta, vigiar e subjugar a língua, pois: “Meus irmãos, não sejam muitos de vocês mestres, pois vocês sabem que nós, os que ensinamos, seremos julgados com maior rigor. Todos tropeçamos de muitas maneiras. Se alguém não tropeça no falar, tal homem é perfeito, sendo também capaz de dominar todo o seu corpo. Quando colocamos freios na boca dos cavalos para que eles nos obedeçam, podemos controlar o animal todo. Tomem também como exemplo os navios; embora sejam tão grandes e impelidos por fortes ventos, são dirigidos por um leme muito pequeno, conforme a vontade do piloto. Semelhantemente, a língua é um pequeno órgão do corpo, mas se vangloria de grandes coisas. Vejam como um grande bosque é incendiado por uma simples fagulha. Assim também, a língua é um fogo; é um mundo de iniquidade. Colocada entre os membros do nosso corpo, contamina a pessoa por inteiro, incendeia todo o curso de sua vida, sendo ela mesma incendiada pelo inferno. Toda espécie de animais, aves, répteis e criaturas do mar doma-se e é domada pela espécie humana; a língua, porém, ninguém consegue domar. É um mal incontrolável, cheio de veneno mortífero. Com a língua bendizemos ao Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. Da mesma boca procedem bênção e maldição. Meus irmãos, não pode ser assim! Acaso pode sair água doce e água amarga da mesma fonte?”(Tiago 3.1-11).

É, o apóstolo Tiago tem razão, “meus irmãos, não pode ser assim!”, algo precisa ser feito, aliás, precisamos fazer algo para acabar com este mal. Penso que há algumas coisas que podemos colocar em prática:

1.O falar amável é árvore de vida, mas o falar enganoso esmaga o espírito” (Pv 15.4). Seja intencionalmente sincero quando abrir a boca. Escolha palavras amáveis. Não bajule nem deprecie. Seja amorosamente verdadeiro.

2.Senhor, livra-me dos lábios mentirosos e da língua traiçoeira!” (Sl 120.2), lute com Deus em oração. Seja específico, peça a Deus que intervenha em sua vida e te dê tal livramento. O esforço humano por si só é inútil. Temos um problema moral com a língua e a solução só virá com o auxílio da Graça.

3.meus lábios não falarão maldade, e minha língua não proferirá nada que seja falso” (Jó 27:4), seja resoluto. Decida-se, comprometa-se com a verdade, com a sinceridade, a justiça e a bondade. Comprometa-se com o padrão moral de Deus apreendido nas Escrituras.

4.Minha língua proclamará a tua justiça e o teu louvor o dia inteiro” (Sl 35.28), habitue-se ao louvor. Dê “trabalho”, ocupação à sua língua. Acostume-se a cantar, louvar, engrandecer a Deus e assim você treinará a sua língua na bendição. Claro, Deus ama a sinceridade do coração. A língua apenas faz jorrar o que contém as fontes do nosso coração. Mas, muito de nossa vida tem a ver com hábitos adquiridos, então, acostume-se a bendizer!

5.O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um” (Cl 4.6), tempere a sua língua com o sal das Escrituras. O sal é um componente importante da Aliança. Era requerido e prescrito nos sacrifícios do Antigo Testamento: “Tempere com sal todas as suas ofertas de cereal. Não exclua de suas ofertas de cereal o sal da aliança do seu Deus; acrescente sal a todas as suas ofertas” ( Lv 2.13). O simbolismo do sal nas Escrituras é enorme, dentre eles está o seu poder de ser um conservante, um agente que impede a putrefação. Tempere a sua Língua com o sal da Palavra de Deus cujo coração deve ser sempre abastecido. Não permita que a sua língua comunique a podridão e espalhe a putrefação. Além disso, o sal retém a água, condição e símbolo da vida. Que as sua palavras comuniquem vida, graça. Que sua língua seja instrumento de bênção e bendição: “Quem é cuidadoso no que fala evita muito sofrimento”(Pr 21.23).

Reverendo Luiz Fernando

É Ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil em Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

895 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções