Carregando aguarde...
Itapira, 13 de Junho de 2024
Artigo
18/07/2012 | Luiz Santos: Embaixadores de Cristo

 “Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio.”         (2Co 5. 20).

A principal tarefa da Igreja é a pregação. Não só sua tarefa primordial como também a sua mais desesperada necessidade nos dias de hoje. Os púlpitos estão vazios de verdadeira pregação, o que encontramos na grande maioria são mensagens paliativas em um ambiente de culto, cujo objetivo central, é proporcionar entretenimento. Sim, a religião sempre correu o risco de tornar-se mero entretenimento, desde os dias dos festivais pagãos nas antigas Grécia e Roma. Ainda hoje, a religião também pode servir a este expediente, oferecer horas aprazíveis com boa música, ambiente acolhedor, uma mensagem estimulante, com atrações variadas.

Neste contexto a pregação não ocupa a primazia na vida da Igreja. Poesias, testemunhos impactantes apelam para as emoções (sobretudo se partir de artistas, atletas e etc.), danças, jogral, teatros, longos louvores e por aí vai, ocupam grande parte do programa litúrgico. Quando a Igreja abre mão da centralidade da Palavra e da Pregação, essencialmente ela vai deixando de merecer e de ser chamada de Igreja, pois ela abre mão da sua missão especial e especializada, que não possui concorrentes entre as seitas, religiões, instituições, governos ou quaisquer outras agências, ainda que legítimas.

Cabe somente à Igreja proclamar as excelências de Cristo. Somente a Igreja recebeu especial e tamanha comissão de apresentar o insondável plano de amor e salvação em Cristo. Somente a Igreja possui autoridade e legitimidade para confrontar o pecado, denunciar as estruturas pecaminosas e levar o pecador a reconhecer o seu estado de miséria. À Igreja, e a ninguém mais, concedeu Deus o ministério da reconciliação entre Deus e o homem pecador por meio do anúncio gracioso da Salvação.  Ela detém o poder das chaves e realiza este poder quando prega com fidelidade as Escrituras.

Evidentemente que a pregação quando realizada com zelo e fidelidade, por mais dura e exigente, por si só produz um culto espiritual, um ambiente onde se testemunha a maravilhosa e excelsa presença de Deus e a ação consoladora e transformadora do Espírito Santo. Evidentemente, onde a Palavra de Deus ocupa seu lugar de primazia e centralidade, haverá lugar para as manifestações da estética que redundem e expressem a glória de Deus. O lirismo e a poesia serão apreciados como expressão de devoção e amor, e o louvor prestará o seu fim supremo: A  Exclusiva Adoração a Deus!

Onde as Escrituras são expostas de maneira fidedigna, os problemas e os dramas humanos são tratados em profundidade, sem paliativos, o Espírito que sempre acompanha a Palavra, ministra no mais profundo das almas e consciências, penetrando zonas e lugares que nenhum terapeuta ou medicamento poderiam jamais alcançar. Assim, onde a Escritura é soberana o homem é mais feliz.

Neste sentido entendemos que a Igreja é mais que uma simples agência ou instituição religiosa, ela é uma espécie de Embaixada do Reino. Somos todos, sem exceção, embaixadores de Cristo. Não possuímos uma opinião própria. Não emitimos nossos conceitos. Não recebemos comissão e autorização para dar o nosso ponto de vista à luz de nossas experiências pessoais. Não! Somos embaixadores, representantes dos interesses e dos negócios do Rei do Reino, o Senhor Jesus Cristo. Falamos em nome dEle e só podemos falar a partir da Bíblia, por meio da pregação ordinária e docente (púlpito) e por meio do testemunho e do compromisso pessoal em viver o que cremos e aprendemos.

A história prova e comprova que as maiores transformações sociais e os maiores avanços humanitários seguiram os tempos de avivamento e redescoberta das Escrituras Sagradas: hospitais, sanatórios, Universidades, Ensino básico gratuito, a democracia moderna, o ressurgimento das artes e etc. A religião quando subestima a autoridade da Palavra de Deus e a tira de seu centro vital na liturgia e na vida, produz Cruzadas, guerras, perseguições, obscurantismo intelectual, intolerâncias raciais e étnicas e o que é pior, torna-se refém de seu tempo e da cultura dominante, perdendo assim sua vocação profética e tornando-se instrumento de alienação a serviço do pensamento dominante.

Ouçamos o conselho de Billy Grahan: “Estude a Bíblia para ser sábio; Creia nela para ser salvo; Siga seus preceitos para ser santo.

Que na IPCI tudo seja feito à luz da Bíblia e que nada façamos sem que ela nos inspire.

Reverendo Luiz Fernando

Pastor Mestre da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

2890 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções