Carregando aguarde...
Itapira, 21 de Junho de 2024
Artigo
09/05/2016 | Luiz Santos: Família, o melhor investimento
“Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente” (1 Tm 5.8).
 
O melhor investimento de um homem nesta vida é aquele feito em seu bem mais valioso, sua família. Como diz o conhecido provérbio, ‘nenhum sucesso compensa o fracasso de uma família’. Infelizmente a nossa cultura perniciosamente tem canalizado o nosso investimento para tantas outras áreas que sobra muito pouco para fazer a nossa família render e lucrar. Muitos são os apelos para que invistamos o nosso tempo na satisfação pessoal. A busca desmensurada por prazer e bem-estar tem levado muitos indivíduos a viverem as suas vidas desconectadas dos demais membros de sua família. Não raras vezes os esposos possuem contas bancárias separadas e usam o que ganham sem informar, planejar, prestar contas um ao outro. Muitos filhos já não participam do sustento e da administração da casa quando passam a trabalhar. Os finais de semana e os feriados invariavelmente são planejados para que a família não fique mais junta. Em muitas famílias a sensação é a de que o lar é uma espécie de pensionato cuja convivência é quase tolerada em troca de hospedagem e nem sempre de pensão completa, apenas uma refeição ou outra e a pernoite. As vidas parecem correr em paralelo sem nunca se misturar e se entrelaçar. Nesse estado de coisas os afetos são instáveis e suscetíveis a tentações e convulsões, as emoções são doentias e estão sempre em ebulição e os relacionamentos carecem de significado. O celular, os tabletes e a internet em geral tem provocado o isolacionismo e o distanciamento entre os membros de uma mesma casa. Ainda hoje, uma boa conversa à mesa e uma roda de papo furado entre os membros de uma mesma família é a melhor e a mais benfazeja ‘Rede Social’. Que coisas podemos e devemos fazer para melhorar a economia do lar? (economia aqui tem a ver com a dinâmica e a administração da vida família). Penso que a coisa primordial é a reconexão. Precisamos urgentemente de nos reconectar com os membros de nossa casa e essa reconexão passa pelos afetos, pela devida importância dada ao outro e o reconhecimento de que o outro é parte integrante e estrutural da sua vida e da sua personalidade. Que você vive e existe um pouco também a partir do outro e que não se basta a si mesmo. Essa reconexão pode exigir que a família tome algumas decisões desconfortáveis e até difíceis nessa cultura e nesse tempo de individualismo crônico. Talvez a diminuição de aparelhos de TV pela casa e pontos de TV a cabo seja um começo necessário. Concentrar a assistência da TV num único local para que todos possam participar afetivamente dos interesses e do entretenimento do outro pode levar a família a uma maior interação. Quem sabe decidirem juntos de não levar celular para a mesa e menos ainda para a cama. Uma outra coisa que muito pode ajudar nesse período de reconexão e com certeza há de trazer mais maturidade e solidez às relações familiares é o culto doméstico. Uma coisa que deve acontecer, no início, até sem muita espontaneidade. Deve-se acordar entre os membros um dia e uma hora onde todos tenham a disponibilidade e o compromisso para juntos estudar a Palavra de Deus. Pode ser uma reflexão à luz do sermão dominical ou lição da Escola Bíblica Dominical ou um capítulo de algum documento de nossa confessionalidade. Outra ação imprescindível é estabelecer um dia na semana dedicado à família. Pode ser um dia de passeio, de uma caminhada, de rever fotos antigas, arrumar a gaveta das lembranças familiares e etc., precisamos aprender a estimar a companhia uns dos outros. Ir à igreja juntos, frequentar a mesma comunidade de fé, estarem juntos na adoração pública também é um grande passo para um investimento com lucros espirituais, morais e psicológicos que só faz ganhar em qualidade a vida da família. Há tanta coisa a ser dita aqui neste espaço que mesmo este mês dedicado à família na Igreja Presbiteriana do Brasil, não seria suficiente. Mas, uma longa viagem se faz dando o primeiro passo então, ler atentamente esta pastoral e desejar ampliar a discussão para aprofundar o tema em sua família e buscar juntos no Senhor qual a melhor estratégia, já estaria de bom tamanho. Levante um diagnóstico espiritual, afetivo e moral de sua família. Procure descobrir quais as áreas que estão mais carentes de cuidado e atenção. Sem cobranças, moralismos e juízos temerários, mas em amor, buscando sempre a direção de Deus, procure tomar com convicção e confiança no Senhor, decisões que reconecte os membros da sua família entre si e reconecte todos com o Senhor para que haja paz e vida abundante com lucros para a eternidade para todos os seus.
 
Rev. Luiz Fernando Dos Santos é ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira e Professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul e de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada – Fitref.
 
Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

877 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções