Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
12/10/2013 | Luiz Santos: Luthero e a Reforma Protestante

 “Conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” (Jo 8.32).

Muito se tem dito a respeito do contexto histórico da Reforma Protestante. Às vezes até com certo exagero se pinta o século XVI como um período de que nada se aproveita na religião, na igreja, na cultura e nas artes. Não é esta bem a verdade. O Século XVI viu nascer o período da Renascença, um tempo de retorno às fontes culturais, intelectuais, filosóficas e estéticas da antiguidade greco-romana, grosso modo. Também vultos intelectuais de um passado bem próximo iluminavam a Igreja Romana, como Boaventura, Pedro Lombardo, Tomás de Aquino, Anselmo e etc. De fato a identificação dos poderes temporais e espirituais desde o Sacro Império Romano Germânico, a corrupção da cúria romana e o despotismo de papas e bispos, bem como o lento e trágico esquecimento das Escrituras, levaram a Igreja a um estado desesperador de obscurantismo. Nas palavras de um teólogo católico, Loius Boyer, “mesmo a pérola do Evangelho já não brilhava mais, escondida sob as camadas e camadas de demãos de tingimento da Tradição”.

Neste contexto emerge a figura de Martinho Luthero. Sem muito discernimento e sem conhecimento da vontade de Deus nas Escrituras, Luthero , no dia de grande tempestade faz o voto à Santana, mãe de Maria, segundo a Tradição, que se escapasse com vida daquela tormenta se consagraria a Deus na vida monástica. Luthero passou seus dias no mosteiro atormentado em sua alma. Chegou mesmo a admitir que odiava um Deus justo. E, por mais que se confessasse com seu diretor espiritual J. Stauptz, ou fizesse penitência e muitas vigílias, sua alma jamais encontrava paz e sim a lembrança de um Deus insatisfeito, irado, justo, vindicando justiça. De fato, este Deus existe, é revelado nas Escrituras, é o Deus da Bíblia.

Contudo, não é a revelação total e definitiva. Não é uma revelação perfeita. Luthero conhecia o Deus construído e herdado da tradição monástica e da piedade religiosa de seu tempo, desvinculada e à parte das Escrituras. Um Deus criado e projetado segundo os ideais humanos de justiça e perfeição, mas não o Deus das misericórdias e de toda consolação (2 Co 1.3), não é o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Deus da salvação e da Graça. Até encontrar-se com este conhecimento, com esta verdade libertadora das Escrituras, tendo a Cruz como declaração da justiça e da graça de Deus, Luthero era um escravo infeliz na insana busca de conseguir o favor e o beneplácito de Deus com suas obras humanas. Desta descoberta, mais do que qualquer outra, resulta a Reforma Protestante.

 Não há verdadeiro culto a Deus, aceitável por Ele, que comunique graça e santificação e não haverá vida ética libertadora sem o verdadeiro conhecimento do verdadeiro Deus das Escrituras. Todas as demais conquistas e realizações da Reforma protestante: O livre acesso e exame das Escrituras. O ensino fundamental público e a alfabetização das massas. A iniciativa e o fomento do livre pensamento nas artes, nas ciências e na religião. A democracia moderna com representantes escolhidos pelo voto do povo, o valor ético do trabalho e a hipoteca social sobre as conquistas individuais e etc. são na verdade o resultado e o produto derivado deste conhecimento de Deus que dá ao homem uma cosmovisão bíblica, um sistema integrado de valores que o possibilitam  ver o mundo, a cultura, a política, as artes, a realidade do homem na perspectiva da vontade de Deus e de seu Reino sobre o universo.

No final da vida, ao contemplar a extensão e todos os desdobramentos desde o dia 31 de outubro de 1517 quando teria afixado as suas 95 testes. Ao repassar a história e trazer à memória as extraordinárias notícias que lhe chegavam da Berna de Beza, da Louvain de Farel, do Palatinado alemão e da atuação de Melancthon. Da Genebra de Calvino, da Zurique de Zwinglio e Bullinger e de todas as transformações que ocorriam em toda a parte e em todas as dimensões da existência humana, Luthero teria dito: “Eu não fiz nada, a Palavra fez tudo.” É o encontro do homem, por mais desesperado e atormentado, por mais pecador e por mais distorcido que seja até então, seu conhecimento de Deus, que pode REFORMAR a sua existência e todo o seu contexto.

Se Luthero possui algum valor, serve de algum modelo e inspiração para nós protestantes do século XXI, creio que é este. Deixar-se convencer, seduzir, aguilhoar, ferir, curar, acorrentar e conduzir pela Palavra de Deus e dela e somente dela haurir conhecimento verdadeiro sobre Deus, o homem, a criação, a Queda, a Redenção e o destino último de todas as coisas. Como Luthero, deixemos Deus ser Deus. Deixemos que a Palavra faça o que tem que fazer!

Rev. Luiz Fernando - Pastor Mestre da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

403 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções