Carregando aguarde...
Itapira, 13 de Junho de 2024
Artigo
12/12/2013 | Luiz Santos: Natal, mais que boas festas, uma Boa Notícia

Como são belos nos montes os pés daqueles que anunciam boas novas, que proclamam a paz, que trazem boas notícias, que proclamam salvação, que dizem a Sião: O seu Deus reina!" (Is 52.7)

Da nossa compreensão do Natal depende em grande parte a vitalidade do Evangelho para a Igreja e para o mundo. O que está em jogo para os cristãos quando participamos de festas familiares, na empresa, na escola, enfim na sociedade à luz das comemorações natalinas? O que queremos dizer com “Feliz Natal”? O que de fato queremos comunicar quando fazemos votos de “paz e amor” para você e para os seus? Algumas outras palavras costumam ganhar evidência nestes tempos: fraternidade, tolerância, respeito, solidariedade, altruísmo, generosidade, caridade, ternura etc. Mas, quando um cristão usa estas palavras, ele possui o mesmo entendimento? Quer desejar a mesma coisa?

Para nós cristãos o que está em jogo em cada Natal na verdade é o plano de amor estabelecido por Deus para resgatar a humanidade indolente, rebelde, pecadora, inimiga do bem e afeita ao mal. Uma antiga oração do tempo do Advento / Natal diz algo mais ou menos assim: “Ó admirável intercâmbio de dons entre os céus e a terra, que para resgatar-nos O Eterno assumiu a nossa natureza mortal e revestiu-nos de sua glória divinal.” Então, quando desejamos ‘Feliz Natal’ a alguém, seria o mesmo que dizer: “feliz, bem aventurado, ditoso e condescendente o amor de Deus que te alcançou em Cristo e que te reconciliou com Deus, de quem eras inimigo, desde os dias de Adão.” Desejar ‘Feliz Natal’ é o mesmo que dizer: “és de fato feliz porque Deus não poupou seu próprio Filho para salvar um escravo como tu, como eu”.

E ainda, que fraternidade desejamos? Daquela construída e só possível a partir da comunhão com Cristo, da reconciliação com o Pai. Só podemos amar-nos e viver a harmonia quando a partir do mistério da Encarnação temos a percepção de encontrar e servir Cristo na face do nosso próximo, do nosso semelhante. Que tolerância e que respeito? Certamente não é com o pecado e com a maldade. Tolerância e respeito pelo diferente sim, pelo legitimamente diferente, cuja sinceridade pela busca da verdade e da justiça enseja de nossa parte largueza de alma e compreensão amorosa.

O que de fato queremos desejar quando fazemos votos ou manifestamos o desejo de que o outro e o mundo vivam em solidariedade, altruísmo, generosidade e etc.? Manifestamos o desejo de que todos aprendam as lições do ‘presépio e da cruz’, lições como estas das Escrituras: “Se por estarmos em Cristo, nós temos alguma motivação, alguma exortação de amor, alguma comunhão no Espírito, alguma profunda afeição e compaixão, completem a minha alegria, tendo o mesmo modo de pensar, o mesmo amor, um só espírito e uma só atitude. Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros. Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens” (Fp 2.1-7).

São estas as preciosas lições do Natal, pois o Filho de Deus encarnado ensinou-nos a viver com estas exigências irrenunciáveis:

1. Não nos deixar vencer pela ambição egoísta e pela vaidade.

2. Interessar-nos pelas causas alheias, o que é bem diferente de ‘nos meter’ na vida dos outros.

3. Andar pelos caminhos da humildade em relação a todos, jamais nos fazer crer como melhores ou superiores, mas como servidores.

É nosso dever como cristãos não permitir que a Boa Notícia de João 3.16-18: "Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus”, se esvazie e perca a sua força no emaranhado de palavras e de sentimentos sem peso, vazio, sem lastro, sem verdade e sem poder de transformar.

O Natal deve ser uma proclamação. A proclamação do poderoso e insondável amor de Deus para com os homens, amor de um Deus buscador, como o pastor da parábola que sai pelos montes e campinas atrás daquela que se perdeu. Este é o espírito do Natal!

Reverendo Luiz Fernando

Pastor da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

 

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

2905 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções