Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
16/09/2015 | Luiz Santos: O Culto da Palavra

O ponto mais alto de uma reunião de adoração em uma igreja genuinamente evangélica é a pregação da Palavra. Podemos afirmar com toda a convicção possível que um culto evangélico é um culto da Palavra. Infelizmente os nossos dias parecem desmentir esta afirmação. Infelizmente parece que algumas profecias dos apóstolos se cumpriram entre nós: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências” (2 Tm 4.3); “Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências” ( 2 Pe 3.3). E, o resultado inevitável de quando a pura Palavra de Deus não é nem desejada e nem pregada, é que o culto se torna um palco para todo tipo de excentricidades. Há mesmo até pessoas bem intencionadas que desejando um culto mais palatável, concedem a maior parte do tempo disponível para corais, solistas, grupos de louvores, danças, coreografias, filminhos motivacionais e etc. O tempo restante fica por conta de uma leitura e de uma exposição breve, sem profundidade e controlada exatamente pela expectativa do que veio antes, entreter os expectadores. Nos casos mais graves, tudo o que há na reunião de oração são testemunhos, expulsão de demônios, maus espíritos e infindáveis testemunhos de curas, milagres e vitórias, sobremaneira na vida financeira. Infelizmente a saturação destas coisas na grande mídia provoca pelo menos duas reações difíceis de aceitar. Na primeira delas muitos cristãos sérios e não poucos líderes sentem-se tentados porque veem o crescimento destas tais comunidades, ou pelo menos, o aparente sucesso destes ‘impérios’ ministeriais e os invejam e imitam. A segunda reação é aquela que leva ‘os de fora’ a  nos igualar a todos. Por isso, muitos têm resistência em fazer-nos uma visita, outros têm até medo de serem submetidos a qualquer um desses excêntricos expedientes citados até aqui. Todavia, num culto genuinamente evangélico e umbilicalmente ligado à tradição Reformada, a leitura e a exposição da Palavra têm a primazia, como diz o pastor e teólogo alemão Dietrich Bonhoenffer: “Nosso louvor e orações precisam estar de acordo com as Escrituras, e, acima de tudo, a Palavra pregada tem de servir ao propósito de agradar a Deus, porque o sermão é o aspecto mais importante da adoração, visto que por intermédio dele o Criador do universo fala a seres insignificantes”.  Em nosso culto a Palavra de Deus recebe tanta ênfase porque entendemos que onde ela não é pregada a verdade não pode prevalecer. Onde a palavra não é exposta Cristo não pode prevalecer e fora de Cristo nada existe senão ídolos. Onde a palavra de Deus não é pregada com fidelidade, integridade e corretamente pelo ministro, não há poder sobrenatural que de fato venha da parte de Deus. Tudo o que há são ilusões e sugestões vindas da carne ou do maligno. Somente a palavra de Deus produz fé (Rm 10.17), santificação (Jo 17.17) e comunhão real com Deus (Jo 8.31; Jo 15.7). Uma boa leitura para descobrirmos quais os efeitos nefastos de uma religião, de um culto intentado a ser prestado a Deus, mas que rejeita ou negligencia a escuta atenta da palavra de Deus é o livro de Amós. Este profeta menor aponta com o seu dedo em riste os grassos pecados de Israel num tempo de muito fervor religioso. Os santuários e o templo estavam abarrotados de pessoas. Muitas peregrinações a lugares sagrados. Muitos ritos e cerimônias. Contudo os pregadores eram proibidos de falar. Os profetas não podiam entregar a mensagem (Am 5.10). O que aconteceu com este povo dado a milagres e cerimônias, mas que não ouvia a Palavra? Imoralidade sexual degradante (Am 2.7); Juízes corruptos (Am 2.6-7; 5.12); Opressão (Am 3.9; 4.1; 8.4-6; 5.11-12); Exploração do pobre (Am 5.11-12); Insensibilidade para com os sofredores ( Am 6.6); Não suportavam a verdade (Am 5.10). Estamos em grande perigo quando qualquer outra coisa ocupa o lugar mais alto, a posição mais elevada ou é mais desejada que a Palavra de Deus lida e exposta em nossas assembleias litúrgicas. Ouçamos o gentil convite de Amós: “Buscai o Senhor e viverei” (Am 5.6). Busquemos o Senhor em sua Palavra quando a igreja estiver reunida, pois é aí que o Espírito fala (Ap 2.29).

Rev. Luiz Fernando Dos Santos É Ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil em Itapira.

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

1078 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções