Carregando aguarde...
Itapira, 13 de Junho de 2024
Artigo
29/12/2016 | Luiz Santos: O Evangelho do Natal

Já escrevi em outras ocasiões sobre a descristianização do Natal. Uma descristianização que não está apenas no mundo, na sociedade, na cultura em geral e no mercado de consumo. Este esvaziamento do natal atinge ‘em cheio’ às comunidades cristãs, mesmo históricas. A velha história é revisada e outros conceitos humanos, dignos até, ganham relevo como a solidariedade, a política da inclusão, a justiça social e a questão da tolerância e etc. O Natal tornou-se, no caso daqueles que possuem alguma boa vontade e alguma consciência social, um veículo para a disseminação de suas convicções e ideologias. Isto não seria de todo um mal, se á custa dessas coisas o antigo Evangelho não sofresse prejuízo, não fosse esquecido e até mesmo ignorado. Na verdade, o Natal é uma Boa Notícia da parte de Deus aos homens. Uma notícia que já virou história quando do nascimento de Jesus na gruta de Belém, é verdade. Mas, uma notícia que continua atual, válida, necessária e ainda inaudita para muitos. E essa notícia é: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3.16,17) e ainda: “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 19.10); “Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido” (Mt 18.11); “Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores...” (1 Tm 1.15). Esta é a toda a verdade e toda a essência do Natal. O Natal é o Evangelho, sua suma, seu cerne, sua mensagem. Não há outra coisa a celebrar e não há outra mensagem que seja mais importante e verdadeira do que essas registradas nos versículos acima. O Natal é a festa da libertação dos escravos do pecado. É o resgate dos oprimidos. É o encontro e encaminhamento do que estava perdido. É a salvação do condenado. O Natal não é um fim em si mesmo, mas aponta para a realidade do calvário. Manjedoura e Cruz estão intimamente associadas. Estrebaria e sepulcro estão ataviados pela mesma verdade, o Filho de Deus nasceu neste mundo segundo a carne para morrer a nossa morte e dar-nos vida em sua gloriosa ressurreição. Qualquer outra mensagem que não proclame no Natal a esperança para o pecador, a vida para o arrependido e o conforto na certeza da salvação para o santo, não é Natal cristão.  Esta festa nos recorda ainda o altíssimo valor do lar e da família. Quis Deus o Pai que seu Filho tivesse na terra mãe humana, um pai adotivo e muitos irmãos por parte de mãe e outros tantos por parte da fé. Isto deve levar-nos à valorização de nossa família como o lugar privilegiado para o desenvolvimento de nosso caráter e a apreensão e o cultivo de princípios e valores. O Natal nos ensina que investir em nossa família é a melhor coisa que podemos fazer para a nossa própria felicidade. E o melhor investimento é fazer como Maria e José que receberam e colocaram Jesus como o centro de suas vidas. Devemos fazer o mesmo, devemos conduzir nossas famílias para o encantamento, a devoção e a obediência a Jesus Cristo. E ainda, expandir a nossa família para a família da fé, que é a Igreja. É na Igreja que Jesus Cristo vem ao nosso encontro, na Palavra, na comunhão dos irmãos, nos sacramentos e faz com que nosso coração se torne um permanente presépio. Valeria repetir aqui o que se diz em algumas propagandas na TV: “Não aceite imitações”, um Natal que não proclame as excelências de Cristo e sua graça salvadora. Um Natal que não nos leve a apreciar, valorizar e proteger nossa família em Cristo. Um Natal que não nos convença e nos leve à participação afetiva e efetiva com os irmãos na Igreja, não merece a nossa atenção e nem o desperdício de nosso tempo e energia. Celebremos no Natal a festa de nossa pertença á família de Deus, irmãos adotivos de Jesus Cristo para a adoração por agora na Igreja e por toda a eternidade no céu. Feliz e Santo Natal de Jesus Cristo a todos.

Reverendo Luiz Fernando é Ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

2986 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções