Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
24/06/2015 | Luiz Santos: Perseverar

 Com feito, tendes necessidade de perseverança” (Hb 10. 36).

Vivemos numa sociedade da lógica do consumo e do descarte. Coisa alguma parece ser feita para durar. A própria fragilidade e fácil destrutibilidade dos materiais revelam isso. Materiais sempre mais leves, mais sensíveis, menos capazes de suportar peso, fricção, pressão e choques. Essa mesma lógica parece ter alcançado as mentes e os corações dos homens. Quase não existem projetos humanos feitos para durar. Quase ninguém projeta coisa alguma á longo prazo, os relacionamentos não duram mais que uma estação do ano. Alguns nem resistem até a próxima balada. Os casamentos acabam antes mesmo de começar, muitos o tem como um ‘teste driver’ para a felicidade tendo sempre outras opções em mente. As palavras sacrifício, perseverança, renúncia, resistência, bem como a verdadeira noção de seus respectivos significados e de sua importância para uma vida coerente e consistente estão desaparecendo da cultura e da educação comum. Não raros educadores, psicólogos, líderes religiosos e formadores de opinião em geral não só deixaram-se capitular por esta mentalidade de contínua mudança e perpétua instabilidade, bem como ensinam e pregam que tal inconstância é o caminho mais curto para a felicidade. Nada mais parece fazer e ter sentido permanente. Ideologias de partidos políticos, filiação religiosa e etc. são tão movediças e insustentáveis que quase não podemos mais falar em identidade definida. Nem o sexo ou a sexualidade humana são tratados como fatos brutos, mas sofrem releituras, reinterpretações e experimentos constantes, diluindo assim a personalidade num vácuo existencial. As Escrituras ensinam que todos precisamos de perseverança, de fidelidade, de integridade, de identidade definida e medida por um padrão definido que é Cristo para alcançarmos a plena felicidade. Por isso mesmo a Palavra de Deus fala sempre em termos de absoluto, definitivo e eterno. Fala de homem e mulher, sem nenhuma outra releitura ou interpretação de papéis. Fala da indissolubilidade do matrimônio monogâmico heterossexual ou de castidade, sem meios termos ou adequações culturais. A Bíblia insiste em um caráter resoluto, palavra fidedigna e em absolutos morais e não abre espaço para a lógica do conveniente e do relativismo. Bem e mal, doce e amargo, certo e errado são padrões definidos e imutáveis. Por isso mesmo maior é a nossa ação de graças quando nos reunimos como Igreja para celebrar os 25 anos ininterruptos do presbiterado do nosso irmão Raílton Rocha de Andrade Jr. Não faz muito celebramos os seus 25 anos de matrimônio e agora o seu jubileu de prata, como oficial desta igreja, vivendo com fidelidade seu nobre e humilde ofício à frente desta comunidade. Não foram 25 anos de um mar de rosas e festas. Certamente não lhe faltaram razões humanas mais que suficientes para desistir, quer do casamento, quer do presbiterado. Certamente o presbítero Raílton também sofreu as pressões e as tentações do nosso tempo que reclamam novas experiências, que apresentam alternativas para a felicidade e que divulgam a ideia de que nada vale tanto esforço assim, tanto sacrifícios como esses e mais, que a vida é muito curta para fazer-se rogado e renunciar o que quer que seja. Afinal, merecemos ser felizes custe o que custar. Mas, graças a Deus, o Senhor preservou o casamento e o presbiterado do nosso irmão com promessas definitivas, com verdades absolutas, com o asseguramento da salvação realizada de uma vez por todas na Cruz e com a graça da perseverança final, mesmo que tudo ao redor esteja em constante transformação, dada á caducidade de um mundo que passa com a sua glória e com a sua pompa tão frágil coma a flor do campo que não resiste ao sol do meio dia. Então, celebrar jubileus e bodas de qualquer natureza honrosa e que mereça louvor, é recordar ao nosso coração de que não precisamos nos submeter a esta lógica doentia e instável da moda, desta insustentável leveza de nossa época. Não precisamos nos afligir tentando descobrir a cada dia como ser mais felizes e como responder às expectativas dos outros. Tudo o que precisamos é de perseverança, de constância e de certezas absolutas para não sermos desintegrados e dissolvidos nesta cultura líquida e fluída.

Reverendo Luiz Fernando É Ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil em Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

977 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções