Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
08/11/2016 | Luiz Santos: Todos os Santos

No dia primeiro de novembro as Igrejas Católica, Anglicana e Luterana celebram a festa de todos os santos. Entretanto, as ênfases são muito diferentes no propósito dessa celebração. Os Anglicanos e os Luteranos fazem memória da vida e dos feitos dos santos de maneira didática. Apresentam os santos como simples modelos de fidelidade a Cristo e reafirmam a concepção de que a santidade é possível em toda e qualquer estado de vida. Ensinam a partir das vidas humanas imperfeitas dos santos, que sob os auspícios da graça, a santidade é possível a qualquer homem e mulher. Os católicos além destes dois aspectos, ainda veneram os santos, lhes oferece orações, fazem a eles pedidos de intercessão, socorro em suas necessidades e se confiam à sua proteção. Isto é impensável para Anglicanos e Luteranos, isso é impossível aos evangélicos em geral e aos presbiterianos em especial. Todo a nossa adoração, a nossa veneração, as nossas orações são oferecidas exclusivamente a Deus por meio de Cristo. São os méritos de Cristo a causa suficiente e eficiente de nossa salvação, santificação, proteção e bem-estar geral. Escrevo esta pastoral porque no Brasil a Conferência Episcopal (CNBB), transferiu esta festa para o domingo mais próximo do dia 1º (no caso hoje), para que seus fiéis pudessem participar em maior número e com maior proveito de suas celebrações. Não é porque essa solenidade nos seja desconhecida e até estranha como protestantes que não mereça a nossa atenção e uma reflexão apropriada. Na verdade, devemos refletir sobre a nossa mais sublime vocação como povo de Deus, a santidade. Santidade não é uma opção no cardápio da fé. Antes, é uma ordenança dada por Deus: “Sede santos porque eu o vosso Deus sou santo” (Lv 20.7). Desde o Antigo Testamento tudo o que diz respeito a Deus é santo. O monte Sião é santo, o sumo sacerdote é santo, Jerusalém é santa, as alfaias (roupas para o culto e ornamentação do templo), os utensílios para o sacrifício, a Arca da Aliança, enfim, tudo o que pertence a Deus é santificado. A primeira noção então de santo é o de ser separado para ser posse exclusiva de Deus e estar a seu serviço. Uma vez que fomos alcançados pela graça de Cristo, regenerados, o Senhor produziu fé salvadora em nosso coração, fez-nos participar da justiça de Cristo e habilitou-nos para a santificação com os auxílios necessários e indispensáveis. Agora, como filhos adotivos nossa razão de ser e de existir ganha nova dimensão e natureza. Fomos separados do mundo, moralmente separados e purificados, para pertencer a Deus e viver para a sua glória desde agora e para sempre. A outra noção de santo é aquela que indica pureza, ausência de pecados, de maldade, inocência e amor pela justiça e a verdade. Nossa pertença a Cristo e a presença do Espírito Santo em nós, com os demais auxílios da graça nos fazem produzir e crescer em santificação, a começar pela produção do fruto do Espírito: “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade” (Gl 5.22). Junto a esse fruto passamos a desenvolver dons espirituais para o serviço, bem-estar de nossos irmãos e a glória de Deus: “Se alguém fala, faça-o como quem transmite a palavra de Deus. Se alguém serve, faça-o com a força que Deus provê, de forma que em todas as coisas Deus seja glorificado mediante Jesus Cristo, a quem sejam a glória e o poder para todo o sempre. Amém” (1 Pe 4.11). A radicalidade do amor também é uma nota muito característica dos santos: “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine. Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, mas não tiver amor, nada serei. Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá. O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará” (1 Co 13.1-8). Essas são características inerentes à vida e ao caráter de um homem salvo em Cristo. Com maior ou menor intensidade, essas manifestações deverão ser encontradas. Santidade aqui nessa vida, não implica em perfeição absoluta. Infelizmente a presença e a influência do pecado ainda estarão presentes enquanto vivermos, todavia, já não terão domínio sobre os santos e esses não sentirão prazer ou conforto no pecado. Todos os que estão em Cristo são verdadeiramente santos: “Se, porém, andamos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1 Jo 1.7).

Reverendo Luiz Fernando é ministro do Evangelho na Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

415 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções