Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
03/04/2013 | Luiz Santos: Uma Igreja que inspira cuidados (1)

“Os sãos não precisam de médico, mas sim os enfermos.” (Mt 9.12).

Fala-se muito hoje em igrejas saudáveis. Abunda a literatura sobre o tema, não faltam “gurus” e sábios que apresentam projetos, estratégias e planos mirabolantes para fazer a igreja crescer e desenvolver-se de maneira rápida, extraordinária e sem mistérios. Não tenho nada contra o tema, nem contra a literatura e seus autores, quando, evidentemente, sóbrios, bíblicos, teológicos e cuja preocupação única é preservar e anunciar a glória de Deus. Gosto muito da postura de Mark Dever e sua obra, “Nove Marcas de uma Igreja Saudável”, e admiro as concepções de Christian A. Shwarz e seu livro “O Crescimento Natural da Igreja”, para citar alguns. Todavia, fala-se em igreja saudável porque o que encontramos via de regra, são igrejas padecentes, enfermas, que inspiram cuidados.

Quais seriam os primeiros sintomas de que uma Igreja está sendo acometida de algum mal que pode levá-la a perda de suas forças e até mesmo chegar ao óbito? Seguindo de maneira resumida as intuições de Mark Dever, presumo que sejam estes:

1. Quando a Igreja perde o apreço pela pregação. Não qualquer pregação, mas pela pregação expositiva, a Bíblia pela Bíblia. Quando a Igreja se encanta e se interessa por temas da moda, da cultura contemporânea. Quando o púlpito se torna uma espécie de noticiário em perspectiva cristã, dando a interpretação bíblica sobre fatos da política ou de economia. Lógico, as Escrituras nos ensinam e nos estimulam para que saibamos ler a história e os acontecimentos desde uma perspectiva da criação – queda – redenção, isto é, sob a soberania de Deus. Mas, a pregação bíblica é mais do que isso, é, numa palavra, a promoção da Glória de Deus, é levar a Igreja a vislumbrar esta gloria e majestade e desejá-la mais que a própria vida! A pregação não pode ser resumida a um tipo de terapia reduzindo o pecado e o mal em categorias “psicologizadas”. Tampouco a pregação deve servir de entretenimento, seja de interesse cultural e filosófico, seja com gracejos que lembram muito mais um “Stand up”.

2. Quando a Igreja perde a noção de quem Deus é. Isto significa que ela possui uma teologia bíblica distorcida. Quando a Igreja não sabe exatamente e com segurança o Deus a quem adora: Um Deus criador, santo, fiel, amoroso e soberano. Este Deus tremendo não se enquadra, não se submente, não se aprisiona em nossos esquemas religiosos. Não se deixa bajular, não suporta ser questionado em sua autoridade, não aceita ser afrontado em sua santidade, não deixa impune quem viola suas leis e mandamentos. Ao mesmo tempo em que é um Deus todo amoroso que perdoa, ama e restaura os de corações contritos e humildes que a ele se volta humilhados sob o peso do pecado e clamam misericórdia. Adoramos um Deus absolutamente fiel. Fiel a si mesmo, à sua justiça e santidade. Mas, um Deus fiel e cumpridor de suas promessas, tanto as promessas de galardão quanto as de julgamento e punição. Nosso Deus é soberano, faz tudo quanto quer e preside a todos os acontecimentos encaminhando-os todos para a sua própria glória e para o bem dos que o amam. Deus não pode ser contrariado e não mudará de ideia sob qualquer ameaça, desprezo ou deserção humana. Não deixará comprar por votos e promessas e nem se intimidará com o desprezo de seus “desafetos.” Permanecerá o que sempre foi: DEUS!

3. Quando a igreja ignora o Evangelho e a evangelização. A igreja precisa sempre, de novo e de novo, ouvir o Evangelho. Não basta aquela audição dos dias de nossa conversão. Temos a necessidade de sermos evangelizados sempre e constantemente. O plano redentor, onde, quando e como ele foi elaborado. Por quem e como ele foi executado e quais os seus efeitos em nossa alma e tantas quantas são as suas promessas e advertências. Essas coisas todas devem ser recorrentes para que a evangelização não seja prejudicada. A Evangelização não é uma tarefa para especialistas. A Igreja que fica esperando que pastores, missionários, presbíteros e etc. se ocupem da Evangelização nada ou pouco compreendeu do Evangelho. A evangelização é uma tarefa simples, todo batizado está comissionado a ela. Os oficiais devem se ocupar com o treinamento e a equipagem dos santos, enquanto não se descuidam da evangelização. Mas, os membros, todos os membros, uma vez que vão sendo subsidiados pela pregação, vão falando do Evangelho nas filas dos bancos, mercados, ônibus, salas de esperas, vizinhos e etc. Os discípulos como nos ensina os Atos dos Apóstolos, foram “tagarelando” as boas novas, declarando os feitos do Pai e de Jesus o Filho amado por onde passavam. Tudo isso, acompanhado de um alegre testemunho. A semana que vem continuaremos o assunto.

 

Rev. Luiz Fernando

Pastor da Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Luiz Santos
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

1063 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções