Carregando aguarde...
Itapira, 30 de Outubro de 2020
Notícia
24/08/2016 | Luiz Santos: O amor por Jesus e a paixão missionária

 “Se alguém não ama o Senhor, seja amaldiçoado. Vem, Senhor!” (1 Coríntios 16:22).

Volta e meia eu gosto de ler os relatórios missionários. São muitas as cartas que chegam, assim como e-mails e posts que narram a vida, as lutas, as dificuldades e os triunfos dos nossos missionários ao redor do planeta. Também gosto de ler as estatísticas missionárias, muitas delas tecnicamente perfeitas, como resultados sérios de pesquisas realizadas in loco por missionários, antropólogos e cientistas de outras áreas aplicadas à estratégia de missões. Surpreendo-me em não poucos casos quando as necessidades humanitárias, as mazelas e misérias dos povos e culturas ou qualquer outra coisa aparecem como o grande desafio para que uma igreja, família ou jovem se decidam por missões ou para que firmem qualquer tipo de compromisso missionário. Espanta-me o fato de que o apelo é sempre feito em termos de urgência, porque ‘milhões morrem todos os dias sem Cristo’, porque ‘muitos estão na miséria e nós aqui nos perdendo em nossa abundância e em nosso pecaminoso desperdício’. Este apelo não é de todo injustificado ou errado. A compaixão deve ser um dos elementos que sustentam uma vocação missionária, não questiono e nem duvido. Eu mesmo já escrevi e ensinei isso em outras ocasiões. Mas, o verdadeiro desafio e o verdadeiro apelo missionário têm a ver com a intensidade de nosso amor por Jesus Cristo. É somente quando o Cristo se torna a pessoa mais apreciada, o bem mais precioso, a posse mais necessária e o relacionamento mais vital para um cristão, é que ele então será movido a fazer coisas grandiosas por Ele. Coisas que façam seu nome conhecido, amado, invocado, servido. Quando o nosso amor está abrasado dentro de nós e queimando o nosso coração, sentimos a urgência de fazer com que Cristo receba toda a glória possível do maior número de homens e mulheres a quem pudermos alcançar. Desejaremos que Cristo seja exaltado em cada cultura, adorado em cada língua, ouvido dentro de cada civilização. Investiremos o melhor de nosso tempo, de nossos recursos e de nossas habilidades para que um número cada vez maior de pessoas seja dado a Cristo como possessão a fim de que Ele exerça a sua realeza e o seu senhorio. Missões, então, tem a ver com quanto Cristo tem de primazia, valor, importância para nós. Missões diz respeito ao quanto de nossa afeição, de nosso deleite, de nosso prazer e de nossa satisfação estão depositadas inteiramente em Jesus. É essa vida apaixonada pelo Senhor que dispõe e cria em nosso coração lugar para a compaixão e a solidariedade para com as demandas do mundo, dos povos e da pessoa humana em seu sofrimento e alienação. A compaixão que nasce desse amor nos constrange a fazer pelo próximo, onde quer que este se encontre, o mesmo que o Senhor fez por nós, isto é, entregar livremente a nossa vida, assim como Paulo, como uma oferta a Deus. Quanto menor for o nosso amor por Jesus, menor será o zelo por missões. Quanto mais frio e acomodado for o nosso amor por Jesus, tanto mais seremos insensíveis e indiferentes para com as demandas missionárias. Quanto mais formalizada for a nossa relação com Jesus, menos voluntária e graciosa será o nosso envolvimento com a pregação do Evangelho em contexto missionário. É a exaltação de Cristo por um coração apaixonado que torna possível e real a proclamação da misericórdia na vida dos que sofrem. Como levar os corações a se apaixonarem por Jesus? Corações que amem a Cristo e se comprometam efetiva e afetivamente com missões? Pregando a Cristo! Cristo deve ser pregado de Gênesis ao Apocalipse. Cristo deve ser pregado nas doutrinas da Graça e deve ser proposto na lei Moral e na ética. Cristo deve ser apresentado nas orações, exaltado nos hinos e representado nos sacramentos. A Igreja precisa ser ‘saturada’ de Jesus Cristo até pensar como Paulo: “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado” (1 Coríntios 2:2). Também devemos orar pedindo ao Espírito Santo que nos leve a amar Cristo, a admirá-lo, a desejá-lo e sobre tudo a obedecê-lo porque: “Quem guarda os meus mandamentos e lhes obedece, esse é o que me ama” (Jo 14.21). Encerremos esse mês dedicado às missões decididos a crescer em nosso amor por Jesus Cristo a tal ponto que o queiramos compartilhar com todos os homens, de todas as nações a fim de confessá-lo para a salvação.

Reverendo Luiz Fernando é Ministro do Evangelho na Igreja Presbiteriana Central de Itapira

Fonte: Luiz Santos

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Veja Também
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

1366 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2020 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções