Carregando aguarde...
Itapira, 18 de Junho de 2024
Artigo
09/03/2012 | Reflexos da catástrofe no Japão
Neste dia 11 de março, completa um ano do grande terremoto seguido de tsunami que devastou a região norte do Japão, que por consequência atingiu a usina nuclear de Fukushima, ocasionando a explosão dos reatores contaminando toda a região.
O Japão é um dos países que mais se investe em treinamento contra desastres naturais. São realizados palestras e treinamento em escolas, indústrias, condomínios residenciais e vários programas especiais na televisão.
Mas tudo isso de nada adiantou frente à força da natureza, que veio de forma devastadora, pegando a população de surpresa, deixando todos inertes e sem reação.
As consequências da catástrofe foram gigantescas, milhares de mortos e desabrigados, cidades inteiras destruídas, e agora passado um ano lutam pra a reconstrução, mas contam com muitas dificuldades, principalmente a falta de mão-de-obra, pois com o acidente na usina nuclear e a consequente contaminação radioativa, milhares de moradores migraram para outras regiões, e quem permaneceu sofre com a falta de estrutura e pouca informação por parte do governo em relação à segurança e o perigo de uma contaminação radioativa se perpetuar. Atualmente o governo afirma que os níveis de radioatividade estão dentro dos limites aceitáveis, mas existe muita desconfiança por parte da população.
A tripla tragédia, segundo dados da polícia japonesa, deixou um saldo de 15.853 pessoas mortas - maior perda de vida num desastre no Japão desde a Segunda Guerra Mundial. Outras 3.283 pessoas foram dadas como desaparecidas.
Reconstruir as cidades tem sido o maior desafio do governo japonês após a tragédia. A partir deste mês, os cofres públicos começam a liberar a primeira rodada de subsídios para as sete províncias e 59 municípios diretamente afetados pelo terremoto/tsunami.
São cerca de R$ 5,3 bilhões que devem ser aplicados na remoção de famílias para áreas mais elevadas e reconstrução de prédios públicos, como escolas, postos de saúde e portos.
A policia vem desempenhando papel nunca antes imaginado como, fazer a medição da radiação nos arredores da usina e também vigiar todo o complexo nuclear para evitar ataques dos “terroristas nucleares” como são chamados os ativistas contrários a instalação das usinas nucleares.
O desastre em Fukushima colocou em xeque o processo de recuperação da imagem da energia nuclear como uma fonte segura e confiável. Esse fato gerou sérias dúvidas sobre a consistência da politica energética de vários países que contavam com essa fonte para fazer face ao atual contexto energético e o crescente desequilíbrio entre a oferta e a demanda de energia e de crescente restrição ambiental ao uso dos combustíveis fósseis.
O impacto desse acidente sobre a opinião pública foi muito desfavorável à expansão dessa fonte de energia despertando respostas politicas que apontaram na direção da reavaliação dos planos de construção de novas usinas ao redor do mundo, buscando novas alternativas de fonte de energia renováveis, cujos riscos econômico, industrial e tecnológico são manejáveis tanto pela burocracia quanto pelas empresas do setor.
 

http://clovisakira.blogspot.com

http://twitter.com/clovisakira

Fonte: Clovis Akira

Comentários, artigos e outras opiniões de colaboradores e articulistas não refletem necessariamente o pensamento do site, sendo de única e total responsabilidade de seus autores.

Outros artigos de Clovis Akira
Deixe seu Comentário
(não ficará visível no site)
* Máx 250 caracteres

* Todos os campos são de preenchimento obrigatório

1288 visitantes online
O Canal de Vídeo do Portal Cidade de Itapira

Classificados
2005-2024 | Portal Cidade de Itapira
® Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste portal sem prévia autorização.
Desenvolvido e mantido por: Softvideo produções